no encontro tudo se dilui

flecha.png

o ego quer nos manter presos à certeza da identidade, mas a alma quer se diluir, se misturar e sentir que faz parte de algo muito maior que o eu. tudo se transforma, a natureza é mudança, a cura se dá no encontro, na transformação. “no encontro tudo se dilui”, essa frase emprestada de Castiel Vitorino Brasileiro, dá nome ao novo fotolivro de fe AVILA

fotografais e texto: fe AVILA
design: Martinica Space

O fotolivro nasce da série de 33 imagens feitas ao longo de 28 encontros virtuais, nos primeiros meses da pandemia, quando convidei amigs e artistas para criar essas fotografias através das telas, compartilhando o enquadramento e buscando retratos entre o registro e a performance. Essas fotografias foram feitas num período de grande transformação pessoal, em que sinto uma sensação de morte e renascimento que, entre outras transmutações, tem a ver com um processo de não me enxergar mais no papel de homem, na categoria binária de gênero. Isso desencadeou transformações em meu corpo e pensamento, e acredito que de certa forma isso está presente no livro, nas fotoperformances e no texto que escrevi costurando com citações de autora(e)s que li ao longo desses últimos anos de casulo e metamorfose.

Abaixo, alguns retratos que farão parte do livro.

no_encontro_tudo_se_dilui_11.JPG

André e Raphael, 2020

no_encontro_tudo_se_dilui_02.JPG
búzio.png

Kelton, 2020

no_encontro_tudo_se_dilui_06.JPG

Leona, 2020

no_encontro_tudo_se_dilui_01.JPG

Kate, 2020

búzio.png
no_encontro_tudo_se_dilui_03.JPG

Ana e Veríssimo, 2020

no_encontro_tudo_se_dilui_08.JPG

Caio, 2020

no_encontro_tudo_se_dilui_04.jpg

Marina, 2020

no_encontro_tudo_se_dilui_10.JPG

Fabiano, 2020

no_encontro_tudo_se_dilui_12.JPG

Marina, 2020

no_encontro_tudo_se_dilui_07.JPG

Yuri, 2020

búzio.png
no_encontro_tudo_se_dilui_05.JPG

Jorcélia, Nêga e Luiz, 2020

no_encontro_tudo_se_dilui_09.JPG

Gracielle, 2020

caranguejo.png
no_encontro_tudo_se_dilui_13.JPG

Kelton e Mãe Bia, 2020